27 de outubro de 2011

Abraão – o Pai da Fé


Abraão – o Pai da Fé


O Senhor disse a Abrão:
Sai da tua terra, do meio de teus parentes, da casa de teu pai, e vai para a terra que eu vou te mostrar.” Gn 12:1

Ontem á noite, depois dos estudos bíblicos na igreja onde sou membro ( Nona Igreja Presbiteriana de Uberlândia ) fiquei pensativo e “risondinho” com a resposta que dei referente a uma pergunta do professor da aula a respeito de Abraão.

Ele perguntou para a turma:
Porque Abraão é chamado de pai da Fé?”

Bom, não sondo corações, mas baseado na cultura cristã pop de hoje, acho que a maioria das pessoas que lá estavam pensaram logo na obediência de Abraão à Deus em não negar a Ele nem mesmo seu único e amado filho, Isaque. Quando expressei-me baseado no texto de Gn 12:1 minha resposta surpreendeu a muitos, notei pelos olhares arregalados.

“O Senhor disse a Abraão:
Sai da tua terra, do meio de teus parentes, da casa de teu pai, e vai para a terra que eu vou te mostrar.” Gn 12:1

“O Senhor disse a Abrão:” - Inicialmente, Deus se apresentou a Abraão, devemos nos lembrar que ele vivia em uma terra onde nunca tinha se ouvido falar desse Deus (além de Ur, dos Caldeus, ser tomada por politeísmo maluco ), ou melhor, do Único Deus.

Porém, após a apresentação formal de Deus a sua criatura, Ele o ordena - “...Sai da tua terra, do meio de teus parentes, da casa de teu pai, e vai para a terra que eu vou te mostrar”.

Pergunto, quem em sã consciência obedeceria tal ordem ? Quem em seu juízo perfeito deixaria família paterna, bens, suas terras, tudo para trás e seguir a direção de um “deus desconhecido” e indo com sua esposa (Sarai) e sobrinho (Ló) para uma terra sabe lá onde? (Gênesis 15.17-21 )

Indo mais além, Abraão creu em promessas a princípio, obscuras e duvidosas.
“Eu farei de ti uma grande nação; abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu, sê uma bênção.
Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”. (Gn 12:2-3)

Para crer, obedecer e esperar n’Ele, a ponto de sair as cegas baseado em promessas invisíveis de um deus “estranho” é preciso de fé e certeza (Hb 11:1).

Acredito sim, que um dos fatores foi a fé de Abraão quando Deus lhe pediu seu filho como sacrifício, mas atribuo seu ato a uma gama de outras coisas, uma delas, a graciosa lealdade para com o Senhor e não somente a fé.

Vejo da seguinte forma:

  • Deus tinha se revelado a Abraão - Gn 12:1
  • Sarai era velha e estéril. E não podia ter filho algum - Gn 21:5-6
  • Deus já o tinha dado muitas bençãos, livramentos e vitórias em guerras, por Ló seu sobrinho além do encontro e benção de Melquisedeque, conhecedor do Deus de Abraão – Gn 15.
  • Deus promete o Filho da carne de Abraão e Sara - Gn 18.1-15.
  • Nasce o filho da promessa - Gn 21:2.
  • Deus institui a circuncisão como marca na carne como sinal de sua aliança com seu povo - Gn 17.9-14.

E MUITAS OUTRAS...

Muitas promessas que Deus fez a ele estavam ou já tinham se cumprido. Além da fé ele tinha fatos em sua vida para não mais crer com incertezas mas com a firmeza e convicção de que Deus o guardaria.

Todas vez que me lembro de Isaque, o medo e as dúvidas que assombraram os pensamentos de Abraão lembro-me de suas palavras “E disse Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. Assim caminharam ambos juntos”. Gn. 22: 8.

Abraão tinha fé que aquela adversidade se tornaria benção. Assim como o pai da Fé, Deus não nos dá apenas a o dom de crer mas também as promessas. E ELE É FIEL PARA CUMPRIR TODAS ELAS .

Amém.


Veja também – http://goo.gl/E9WYM




Texto de Daniel Lima - http://goo.gl/EQ7bI

Nenhum comentário:

Postar um comentário